Depoimentos Carinhosos

Nossa história: André, Rosemary e Rafael

Toda mulher traz dentro de si o dom da maternidade, umas engravidam sem querer, outras mesmo querendo não engravidam, foi o meu caso, minha historia começa assim:

Após todos os planejamentos da vida, chega a hora da maior realização, ser mãe sempre foi o meu maior sonho, o mais importante, o que na verdade daria sentindo a minha vida, porém foi detectado um problema, meu sonho ficou adiado por três anos, até conseguir recursos, chegou o tempo e se começou todo o tratamento. Após quinze dias do término do tratamento, sai a noticia mais esperada: Positivo, estou grávida! Que emoção. Mais foi só o primeiro passo. Começam todos os preparativos para a chegada do bebê, gestação complicada devido a hipertensão gravídica, de repente no dia 01/07/2008 as 5:50h da manhã tendo acabado de completar oito meses e três dias a bolsa se rompe. Foi uma surpresa. O pai ficou tão nervoso que não sabia para onde corria. Chegando à maternidade, meu obstetra, Dr. Jorge Antonio, foi chamado. Ele me avisou e definiu, vamos fazer uma Cesárea. A minha ansiedade aumentou, estava chegando a hora de ver nosso pequeno Rafael. Ao entrar no CC, me deparo com uma profissional, que até o momento não sabia quem era. Engraçado, aquela pessoa de características orientais seria tão importante nas nossas vidas. Dei-lhe bom dia e ela respondeu com toda a sua graciosidade. Começou toda a preparação para o parto, essa mesma pessoa veio e se identificou como a pediatra e disse os procedimentos que iria executar, me deixando bem tranqüila. Em poucos minutos o obstetra pergunta as horas e lhe respondem 10:17h. Ele completa: - Vai nascer agora. De repente escuto aquele choro. Que emoção, que felicidade, não me contenho e começo a chorar. O pai nem se fala. Todos os três chorando aquele momento, parecia uma doce sinfonia era bem harmoniosa, quando coloquei os olhos nele não acreditei: tão lindo, tão fofinho. Pousamos para a foto, mas de repente, quando, menos se espera, o susto: o bebê não estava respirando direito. Começa o corre-corre, Dra. Patrícia com toda a sua competência detectou rapidamente o problema e seguiu para o atendimento mais especializado. Nosso bebê não tinha um dos pulmões amadurecido o suficiente, devido à prematuridade.

Quando eu estava na SRPA ela veio conversar comigo, levei um choque, porém não assimilei direito devido ao efeito da anestesia, mas ela me confortou dizendo que estava sendo feito o melhor pra ele. Quando fui para o quarto sabia que o bebê não estaria lá e não iria passar a noite comigo, que tristeza, o quarto ficou um enorme vazio.

Assim que consegui tirar a sonda vesical fui até a UTIN ainda sonolenta, ao chegar lá que desespero em ver aquele tão pequeno ser ligado em tantos tubos. Mesmo sendo da área da saúde levei um susto e, muito ansiosa comecei a perguntar a respeito de tudo, perguntas meramente técnicas, foi quando escutei da Dra. Patrícia a frase que jamais esquecerei na minha memória: "Esqueça que você é enfermeira, lembre-se apenas que você é mãe, deixe conosco os cuidados intensivos, basta você confiar na equipe".

A jornada foi difícil, mas em nenhum momento deixamos de acreditar e confiar em Deus, "O Deus do impossível". Dia após dia de tanta angustia, no entanto, a todo o momento nos deparamos com pessoas maravilhosas, profissionais extremamente dedicados e humanos, que nos confortavam todo o tempo, profissionais de todos os setores, Não irei me esquecer nunca quando a enfermeira Weina se identificou e disse" seu bebê está sendo bem cuidado, e não só com palavras, mas com atitudes de carinho", é tanto que Rafael só abria os olhos quando ela falava,em uma relação de deixar qualquer mãe com inveja, mas eu só babava.

A cada plantão conhecíamos pessoas maravilhosas como a enfermeira Tatiana que com toda sua calma e tranqüilidade fez as primeiras massagens nas mamas para estimular a chegada do leite.

Os dias foram passando e meu pequeno príncipe evoluía de uma forma tão rápída que surpreendia a todos, a cada passo de vitoria era uma grande emoção; a retirada da sonda vesical, a retirada do CEPAP, a retirada do cateter umbilical e da SOG, então as 10:00h. da manhã do dia 06.07.2008, chegamos para visitá-lo e ficamos aguardando o chamado,pois estava sendo realizado um procedimento, após uns 20 minutos de espera, o pai foi perguntar se já poderíamos entrar, então escuto a voz mais agradável aos meus ouvidos, Dra. Patrícia, dizendo com tamanha alegria: Vamos fazer o seguinte, em vez de vocês entrarem é o seu bebê que vai sair, parecia uma criança, todos que estavam ao meu redor se contagiaram com toda alegria, o pai não parava de rir e chorar ao mesmo tempo, foi tudo muito lindo. Então nosso pequeno tesouro se aproximou fiquei tão ansiosa que não sabia nem como segurá-lo, colocado em meus braços para mamar, não sei descrever tamanha emoção, foi a maior da minha vida, parecia que eu iria explodir de tanta felicidade, ele abriu os olhinhos como quem dizia: é minha, consegui, agora sou todo seu. Coloquei-o no seio, muito sem jeito ainda, mas com ajuda da enfermeira Derijuley. Ele fazia três sucções e parava, exausto da longa jornada. Ele se agasalhou tanto que só dormia, foi tudo lindo, o pai babava tanto que começou a tirar varias fotos, e a cada uma ele ficava mais lindo. O pai pediu para segura-lo, então o passei para seus braços, que alegria, a sala parecia pequena para nós três.

Na manhã do dia 07.07.2008 nova surpresa, alta da UTIN, transferência para UI, quando chegamos para visitá-lo lá estava ele no bercinho de bumbum para cima tomando banho de luz, as costinhas tão cabeludas. Aproximei-me e falei com ele, ao escutar a minha voz ficou inquieto, balançou a cabecinha como se dissesse: "Minha mãe chegou, é hora de me acordar, porque ela vai me pegar nos braços, vai me aconchegar e vou mamar". Dito e feito, foi o que fez, quando o peguei do berço abriu tanto os olhinhos e a boca que parecia que eu iria correr dali, ele queria pegar logo o peito para ter certeza que eu iria ficar ali, mamava e dormia. O pai estimulava para ele acordar, ele abria os olhos e sorria como se pensasse: "painho você também esta aqui, você é muito importante para mim, pois você estimulou tanto com a bombinha o peito da minha mãe que agora o meu leitinho sai com facilidade, a família esta toda reunida", foi mágico.

Quando acabou de mamar coloquei sua primeira roupinha, ficou tão lindo, parecendo um príncipe. Fomos mostrá-lo para as avós, que ansiosas aguardavam do lado de fora do vidro do berçário, ficaram babando e caducando o netinho, foram logo dizendo o que ele tinha parecido meu e do meu pai, 99% do pai e 1% da mãe, mas tudo bem, o importante é que agora esta saudável e lindo. Logo após a visita foram realizados os últimos exames para definir previsão de alta, os exames deram bons e a alta foi prevista para o dia seguinte.

Na manhã do dia 08.07.2008, sabendo que estava prevista a alta, começam os preparativos para a saída de Rafael, arrumamos a sacola, colocamos a roupinha da saída da maternidade, já não existia o vazio de antes, agora estava repleta de alegria e felicidade. Ansiosos, iríamos fazer a ultima viagem até a clinica. Tios, tias e avô chegaram à maternidade com um sorriso nosso rosto e os corações radiantes de alegria. Ao chegar ao berçário fomos recepcionados pela contagiante Weina, dizendo: "é hoje". "Logo em seguida a Dra. Patricia aparece com aquele sorriso no rosto- coisa que não é difícil de ver- e com olhar de alegria e certeza do dever cumprido, então ela diz: Já assinei a alta do seu bebê".  Essas palavras foram sentidas no mais profundo de minha alma. Logo as lagrimas de alegria rolaram, e a gente se abraça. Chegando a UI estava lá, o pequeno príncipe, dormindo feito anjo sem saber que daquele dia em diante iria viver outra vida, estaria nascendo de novo. Tomou seu banho, vestiu a saída de maternidade, que lindo, parecia um principezinho, começa então a maratona de fotos. Tiramos fotos com todos. Fez o teste do pezinho quase nem chorou, só porque sabia que já iria embora.

Chega o momento mais esperado, atravessar a porta de saída do berçário, fomos nós três acompanhados por Dra. Patrícia, nosso anjo, ungida por Deus para proteger-nos. Desse momento em diante, foi só festa.

Agora, passado o susto, só temos que agradecer, primeiramente a Deus, pai de misericórdia, que faz coisas tão maravilhosas em nossas vidas. Agradecemos também a todos os profissionais abençoados por Jesus, agradecidos com tanta sabedoria e dedicação.

Agradecemos ainda, a todos que, direta ou indiretamente, contribui para essa vitoria com atitudes ou com orações. Obrigados!

Mensagem:

Lembre-se eu nada é impossível para Deus. Peça a Deus com seu coração e ele atenderá, ele coloca a mão sobre a mão do profissional para executar os seus milagres, são seus instrumentos: acredite e confie em Deus e nos profissionais. Por que para Deus, nada é impossível.

Clínica Santa Helena - Rua Frei Paulo, 331 - Aracaju/SE - Telefone: (79) 3216-1400
Acompanhe a Clínica Santa Helena no Facebook